quarta-feira, 16 de setembro de 2009

Chiquinho Scarpa tem alta. ( entrevista com a Folha )


FOLHA – Como é voltar para casa?
CHIQUINHO SCARPA – Depois de ter sofrido cinco operações e ter recebido a extrema-unção duas vezes, nada melhor do que estar em casa.

FOLHA – Extrema-unção?
SCARPA – É verdade. Fui dado como clinicamente morto duas vezes, então minha família chamou o padre Gonçalo uma vez e, na segunda, para não repetir o padre, chamaram um da igreja Nossa Senhora do Brasil.

FOLHA – Como é acordar depois de 45 dias em coma?
SCARPA – Você acorda completamente dopado. Eu voltei a raciocinar faz uns quatro, cinco dias. Com o fato de eu ter deitado há muito tempo, os músculos desaparecem. Minha grande sorte é que sou faixa-preta em aikidô. Tenho uma vida esportiva muito rígida. O meu pessoal [dos treinos da arte marcial] é que dá aula para o GOE (Grupo de Operações Especiais da polícia de São Paulo). Agora já mexo as mãos, os braços. Só faltam as pernas, por isso tenho que exercitá-las todos os dias

FOLHA – Já leu reportagens sobre sua internação?
SCARPA – Como eu não estou articulando bem a vista, não li nenhuma notícia ou cartas. Mas, quero responder a todos [os que lhe escreveram] de próprio punho.

FOLHA – O que causou a complicação da cirurgia?
SCARPA – A operação do estômago foi um sucesso. Quando cheguei aqui em casa, os pontos do estômago romperam e voltei para o hospital Sírio-Libanês. Peguei todas as bactérias possíveis e imagináveis. Tem uma bactéria muito rara que só três pessoas no mundo pegaram e eu fui a quarta pessoa. A gozação lá no Sírio-Libanês era essa: “Até isso você faz diferente”. Fui cuidado por uma equipe de 12 médicos, todos de primeira.

FOLHA – Faltaram cuidados no pós-operatório?
SCARPA – Falam que eu me descuidei, mas não dava nem tempo, porque cheguei da operação à tarde e, à noite, eu voltei para o hospital. Nem dormi.

FOLHA – A cirurgia de redução de estômago era mesmo necessária?
SCARPA – Eu engordei muito. Estava com 118 kg, o que é muito para 1,71 m de altura. No hospital, perdi líquido, e saí pesando 102 kg. Mas acho que não emagreci [em gordura]. Quero chegar aos 80 kg. Disseram que tomei muito líquido após a cirurgia. Pode até ser. Mas tudo bem, agora estou em plena recuperação.

FOLHA – Arrependeu-se da cirurgia?
SCARPA – Por enquanto, estou arrependido. Mas é algo para o resto da vida. Minha irmã Fátima fez e perdeu 58 kg, mas deixaram o estômago dela menor, só pode comer 25 mililitros, senão vomita. O meu tem 500 mililitros. Dá para comer uma picanha inteira.

FOLHA – Qual sua programação ?
SCARPA – É aquela programação chata: acorda, faz fisioterapia, toma banho, almoça… Agora já estou fazendo a barba. Ando meia hora com fisioterapeuta, depois acordo e vou ver um filme. Mas não entrei mais na internet, não mexi mais em computador. E nem os amigos eu posso receber pessoalmente. Os médicos proibiram qualquer emoção. Agora a Rosi ( minha mulher) passou o telefone debaixo do pano, porque assim falo com alguém. Estou falando dentro do banheiro. Se [os enfermeiros] me pegam aqui, me fuzilam.

Um comentário:

raquel disse...

chiquinho
fiquei feliz em saber que vc esta bem, se recuoerando... que Deus esteja com vc ele fez um milagre na sua vida! estava procurando sobre vc pq quero fazer A CIRURGIA, E como vc ficou em coma fiquei muito preocupada... que bom q deu tudo certo , quero ve-lo na tv dando uma entrevista de vitoria .
um brande abraço!
RAQUEL FERNANDA PORTO
OSASCO-SP